A New Centrality in Porto City

O antigo Matadouro do Porto, que até há bem pouco tempo era um vazio urbano da Cidade Invicta, inoperacional há 20 anos, na zona de Campanhã, vai agora ser transformado num novo centro empresarial, cultural e social da cidade, e está tudo encaminhado para que esta nova centralidade da cidade do Porto, abra portas ao público, dentro de dois anos, precisamente em Outubro de 2024. A ideia central passa por transformar este antigo edifício num “equipamento âncora” na reabilitação da zona oriental da cidade no Porto, promovendo a coesão social, económica e a cultural. Contam-se 26.000 metros quadrados (m2) que vão ter novos usos dentro de dois anos. Em concreto, este novo centro empresarial, cultural e social, contará em 11 edifícios, com áreas que vão desde 374m2 aos 2.408m2, e que possuem quatro frentes. E o projeto prevê ainda uma grande cobertura que une o antigo, que será preservado, e o novo edifício de remate, assim como a passagem por cima da VCI. Serão 26.000m2 destinados a zonas empresariais e comerciais, zonas ajardinadas e um anfiteatro ao ar-livre. Quase 8000m2 ficarão sob a gestão da Câmara Municipal do Porto, e a autarquia, em comunicado, refere que a ideia passa por reservar um espaço ao Museu da Cidade e uma extensão da Galeria Municipal, que terá uma programação cultural permanente a ser desenvolvida pela Câmara do Porto, criando sinergias entre diferentes usos (restauração/cultural/social/eventos). O projecto da autoria do arquitecto Kengo Kuma em parceria com os arquitectos portugueses da OODA, pretende ser de tal forma sustentável, que possa contar no futuro com a certificação LEED. Para tal, vai contar com 2500 m2 de painéis solares na cobertura para gerar energia verde e utilizará sistemas térmicos, energéticos e híbridos eficientes. O projecto prima por promover espaços verdes exteriores, que fomentarão a interação dos usuários do complexo, e terá um efeito positivo que se alastrará à zona. Esta parte oriental da nossa Cidade, já merecia um projecto com esta magnitude e beleza.

Foto: Kengo Kuma and Associates with OODA

#porto #kengokuma #ooda #arquitectura #reabiliatação #campanha #investimentos #centralidade #sustentabilidade

The old Matadouro do Porto, which until recently was an urban void of the Cidade Invicta, inoperative for 20 years, in the Campanhã area, will now be transformed into a new business, cultural and social center of the city, and everything is on track for this new centrality of the city of Porto, could open its doors to the public, within two years, precisely in October 2024. A central idea is to transform this old building into an “anchor equipment” in the rehabilitation of the eastern part of the city in Porto, promoting it to a social, economic and cultural center. There are 26,000 square meters (m2) that will have new uses within two years. Specifically, this new business, cultural and social center will have 11 buildings, with areas ranging from 374m2 to 2,408m2, and which have four fronts. The project also foresees a large roof that joins the old one, which will be preserved, with the finishing building, and will connect with the passage over the VCI. There will be 26.0000m2, garden and commercial areas and an open-air amphitheater.  Almost 8000m2 will stay under the management of the Porto City Council, and autarchy. The idea is to reserve a permanent communication to the City Museum and an extension of the municipal gallery, that will have a cultural program to be developed by the Porto Chamber, creating synergies between different uses (restoration/cultural/social/events). The project by the architect Kengo Kuma in partnership with the Portuguese architects of OODA aims to be sustainable in such a way that it can count on LEED certification in the future. To this end, it will have 2500 m2 of solar panels on the roof to generate green energy and use efficient thermal,  and hybrid systems. The project stands out for the complex promoting outdoor green spaces, which will encourage users interaction, and will have a positive effect, that will spread to the area. The eastern part of our City already deserved a project of this magnitude and beauty.