Nearshoring Industrial – Portugal em 2ª posição, como país mais atractivo.

Um estudo da Savillis, coloca Portugal em 2º lugar, apenas ultrapassado pela República Checa. A pandemia, tensões geopolíticas e a crescente importância da sustentabilidade, faz com que cada vez mais as empresas procurem bons critérios de sustentabilidade, o que está a pressionar os fabricantes para melhorar seu desempenho ESG. Por isso, uma das tendências é o nearshoring, que significa colocar a produção, mais próximo dos locais de consumo. Com a pandemia e a guerra na Ucrânia, tornou-se evidente que uma cadeia de abastecimento complexa e longa pode ser interrompida.

É por isso uma excelente oportunidade para os investimentos no sector de logística e da indústria. E excelentes notícias para o nosso País. Segundo o estudo, «podemos estar próximos ponto de inflexão, onde as megatendências globais estão a alterar os incentivos a favor do nearshoring». E podemos olhar para o exemplo da China, em que uma combinação de salários crescentes e avanços tecnológicos está, cada vez mais, a negar a realidade do offshoring, sendo que os custos de trabalho aumentaram cerca de 250% desde a sua adesão à OMC.

Pressão política e sustentabilidadeA política, segundo o estudo, é outro dos fatores que está a moldar as decisões de localização das empresas, especialmente as que estão afetas ao setor de tecnologia. Os governos estão cada vez mais dispostos a utilizar a política industrial para incentivar a produção nacional, sendo que as economias desenvolvidas, cada vez mais, se centram em questões de ESG: «a deslocalização prejudicou o ambiente: em grande parte, transferiu a produção para economias com padrões ambientais mais fracos, menor eficiência energética e maior consumo de combustíveis fósseis», refere o estudo. A produção offshoring de baixo custo demonstraram um desempenho negativo entre as normas ambientais e de proteção do trabalho, revela o Savills Nearshoring Index.

É pois mais uma oportunidade a explorar no nosso país.